Bom dia, Sábado 15 de Agosto de 2020

Artigo

A Dengue que mal-trata!

18 de Fevereiro de 2020 as 15h 51min

Dizer que a Febre de Quebra Ossos (Dengue) mata, que a Zika causa microcefalia e que a Chikungunya incapacita por trazer dores insuportáveis nas articulações (juntas) por meses ou até anos, já não é mais novidade, culpar a população pelo ressurgimento e reduscrecimento da doença, já virou jargão politiqueiro. Mas a pergunta é, se a população tem orientação suficiente para combater essas doenças, se a gestão publica tem controle dos serviços que oferece para a população, por que pessoas ainda morrem em decorrência disso tudo? Se continuarmos a ignorar nossa história, não utilizarmos nossos exemplos descrito na literatura para entender nosso momento, será difícil imaginar um futuro livre dessas doenças dita como de terceiro mundo.

Recordando um dos maiores nomes na história da saúde pública no Brasil, curvamos as ações efetivas do Dr. Oswaldo Cruz, que foi um médico sanitarista nascido no final século XIX e efetivou ações de cunho sanitário no século XX, dentre as suas ações mais importantes estava o combate ao mosquito Aedes aegypt. Na época não era a Dengue que matava centenas de pessoas no Brasil, o que mais atormentava a população era a tão temida febre amarela, e outras doenças de cunho sanitário. Mas a o que tem a ver a dengue com a febre amarela? Simples: TUDO. Como informação nunca é demais, vamos entender que a dengue, zika, febre amarela, chikungunya, febre mayaro e tantas outras doenças ainda em estudo, são causadas pelo mesmo mosquito, ou pela mesma família de mosquito, mais ou menos assim:

Aedes albopictus (tigre asiático) causa: Dengue, Zika, Chikungunya e febre amarela. Aedes aegypt causa: Dengue, Zika, Chikungunya. Aedes haemagogus causa: Febre amarela silvestre e urbana. Há estudos que comprovam que o mosquito causa além de todas doenças já descritas, causa também quase as mesmas doenças e se misturam entre si.

Até aqui sabemos do principal causador, sabemos que ele sobrevive na nossa região em media de 28 a 35 dias dependendo do clima e das condições favoráveis no meio ambiente, sabemos ainda que o mosquito se infecta com o vírus ao sugar o sangue de outros animais já contaminados, e que até agora sabe-se da existência de 04 tipos de sorotipos da dengue ou seja, I, II, III,IV, isso quer dizer que você só pode pegar dengue 04 vezes na vida, se sobreviver a 01 tipo, tem mais 03 pra poder amedrontar, sabemos que é somente o mosquito fêmea que faz a hematofagia (suga o sangue) necessário para o amadurecimento dos seus ovos e que a ovoposicão (botar os ovos) ocorre sempre no fim da tarde, e que ela põe ovos de 4 a 6 vezes durante sua vida, e que cada ovoposicão passa de 100 ovos e pode chegar a 3000 durante toda a vida adulta do mosquito fêmea, sendo que quando depositados no meio ambiente pode durar até 450 dias por ser muito resistente, vindo a eclodir quando em contato com a agua, e pra contribuir um pouco mais, entenda que toda vez que você é acometido pela doença, nosso organismo cria memória e defesa contra o tipo do vírus especifico, dessa forma você contrai a doença por um tipo de vírus apenas uma vez na vida e sobrevivendo a este tipo, nunca mais torna a adoecer pelo mesmo tipo de vírus, você pode adoecer por outro tipo do vírus, por exemplo: peguei dengue do tipo I e consegui sobreviver, nunca mais me contamino com esse tipo vírus, somente o tipo II, III ou IV pode me fazer adoecer de novo. Então se você adoeceu por mais de 4 vezes e sobreviveu (pouco provável) e recebeu esse diagnostico nas quatro vezes, é bem possível que a doença não tenha sido dengue, pode ter sido zika, chikungunya ou outra doença de causa viral, portanto, a sua historia é o mais importante no seu diagnostico ate porque os sintomas se confunde mesmo e só um profissional preparado pode ajudar nesse momento. Quanta informação, ufa!

Mais se já sabemos de tudo isso, porque não se acaba de vez com esse mosquito? Bom, podemos apontar vários fatores que contribuem direta e indiretamente para o caos observado neste momento, mas antes vamos recordar que em 1955, o Brasil erradicou o Aedes aegypti como resultado de medidas para controle da febre amarela e em 1958 o brasil foi certificado pela ONU (Organização das Nações Unidas) como livre do mosquito Aedes, porém, sabe que ele sobreviveu na américa e no final da década de 1960, o relaxamento das medidas adotadas levou à reintrodução do vetor em território nacional. Segundo dados do Ministério da Saúde, a primeira ocorrência do vírus no país, documentada clínica e laboratorialmente, aconteceu em 1981-1982, em Boa Vista (RR), causada pelos vírus DENV-1 e DENV-4.

Anos depois, em 1986, houve epidemias no Rio de Janeiro e em algumas capitais do Nordeste. Desde então, a dengue vem ocorrendo no Brasil de forma continuada sendo diagnosticada em todos os estados brasileiros e para tanto o simples fato de ignoramos nossa história, por não inovamos nossa forma de combater o mosquito, por invadimos o habitat natural do mosquitos a todo momento, por falta de consciência quanto o perigo iminente ao não cumprimos nosso dever de casa, pela inercia da gestão ignorando dados, informações, opiniões, e por manter distância entre o que se fala e o que se faz, tanto faz que palestrar contra dengue e conseguir deixar o município em 1º lugar notificados no pais (imagina-se os que não foram notificados), comprova a desastrosa estratégia o tratar da saúde no município.

Como nem tudo pode ser somente crítica, podemos ajudar ao recordar ações do Dr. Oswaldo Cruz que dividiu o Rio de Janeiro em distritos sanitários sob jurisdição das delegacias de Saúde a quem competia receber notificações, aplicar multas e intimar os donos de imóveis considerados insalubres a reformá-los ou até demoli-los, suspendeu as desinfecções, método tradicional no combate à molestias na epoca, e implantou medidas sanitárias com brigadas que percorreram casas, jardins, quintais e ruas, para eliminar focos de insetos e nao só no periodo epidemico. Mas se tudo isso esta sendo feito, e a doenca reducresce o caos é bem pior do que imaginamos, de repente seja hora de comprobar a efetividade da estrategia como a quantidade de servidores, as condicoes de trabalho, e materiais necessario para o bom desenvolvimento no combate a todas essa doencas e etc. E se tudo isso resolve mesmo porque nao foi feito antes? simples, porque a doença estava sobre controle e ainda assim, houve trabalho maciço que contou inclusive com açoes das forças armadas sendo assim, um grande exemplo a ser seguido, fica a dica!

Manoelito Rodrigues

Falando de Saúde

COMENTARIOS