Bom dia, Sábado 15 de Agosto de 2020

Artigo

Regularização pode contribuir para aumentar arrecadação estadual

06 de Abril de 2020 as 09h 53min

Um tema que vem sendo bastante discutido nesse período de quarentena é a crise econômica que a pandemia do novo coronavírus provocará em todo o mundo. É certo que teremos que superar dias difíceis e o estado terá que estar preparado para manter o equilíbrio das contas públicas.

Uma alternativa para ampliar a arrecadação nesse momento crítico é executar a regularização de terras públicas em situação irregular. Mato Grosso possui uma grande extensão territorial de áreas nessa situação e a medida pode contribuir para aumentar a arrecadação sem onerar o contribuinte.

Além disso, a regularização traz benefícios essenciais para os ocupantes das áreas, como a segurança jurídica, o aumento dos valores das áreas, o acesso a serviços públicos essenciais e linhas de crédito para obtenção de financiamentos.

Com a área regularizada, o titular terá mais oportunidades para produzir, podendo utilizar a terra para exploração agropecuária e florestal, agroindustrialização, ecoturismo, entre outras alternativas. Isso gerará um desenvolvimento social de forma sustentável, garantindo moradia e dignidade às famílias.

Ou seja, a titulação é um mecanismo importante para o desenvolvimento regional dos municípios mato-grossenses, podendo contribuir muito com a economia local, já que possibilita acesso ao crédito aos que vivem da agricultura familiar e aos produtores que necessitam desse auxílio.

A atual gestão tem feito mudanças relevantes para evoluir nos serviços do Instituto de Terras de Mato Grosso (Intermat), órgão responsável pela política de assentamentos do estado. Entre elas, está a primeira alteração do Código de Terras do estado, o que nunca havia sido feito em mais de quatro décadas.

Contudo, é possível modernizar ainda mais o Código de Terras, assim como fez o governo federal. Além disso, é importante que todas essas medidas estejam dentro de um plano de gestão fundiária que seja moderno e eficiente para que realmente ocorram melhorias significativas em todo o processo.

Com um sistema de governança fundiária eficaz, por exemplo, a questão de reforma agrária seria facilmente mapeada no estado, o que reduziria conflitos existentes e criaria novas oportunidades para a economia local, gerando emprego e renda à população.

*Irajá Lacerda é advogado e presidente da Comissão de Direito Agrário da OAB-MT, presidiu a Câmara Setorial Temática de Regularização Fundiária da AL/MT - e-mail: irajá.lacerda@irajalacerdaadvogados.com.br

Irajá Lacerda

COMENTARIOS