Bom dia, Sexta Feira 14 de Agosto de 2020

Educação

Em quarentena, aluno envia áudio dizendo sentir falta da professora e emociona

Até o momento, as aulas presenciais da rede municipal seguem sem previsão de volta

Afeto | 08 de Julho de 2020 as 11h 15min
Fonte: Redação com assessoria

Foto: Arquivo

Em meio à pandemia do +novo coronavírus e a necessidade de se manter distante e, consequentemente, ter toda a rotina escolar afetada, demonstrações de afeto, carinho e amor como a do pequeno Enzo, da EMEB Taciana Balth Jordão, emocionam quem se dedica na caminhada de educar.

Desde que as atividades presenciais da Rede Municipal de educação - formada por mais de 17 mil estudantes - foi suspensa, as práticas pedagógicas mediadas pela tecnologia e atividades domiciliares foram adotadas. Mas nem mesmo essa distância vem sendo capaz de abalar os laços de afeto.

Na mensagem de áudio gravada e enviada por aplicativo, o pequeno, atualmente cursando o 4º ano do Ensino Fundamental, demonstra a relação entre estudantes e educadores baseada no carinho e atenção.

"Oi, professora, tudo bem? Eu 'tô' com muita saudade de você. Faz tempo que não vejo você. Faz tempo, professora. Essa pandemia 'tá' incomodando, hein? Eu te amo. Um beijo, professora", diz a criança.

A mensagem foi enviada para a professora Roneide Aparecida De Oliveira Tosetto. Ela, atualmente, não mais leciona para o pequeno, mas trabalhou com ele durante dois anos consecutivos, no 2º e 3º anos. Na ocasião, esse foi o período de construção e aprendizado conjunto. Um "trabalho de formiguinha" feito entre docente/escola e que criou um vínculo afetivo "muito significante", como descreve a professora.

"Enzo foi meu aluno por dois anos consecutivos e veio pra mim com transtorno opositor. Sou muito grata, pois ele é uma criança muito inteligente. Ele sempre manda algo pra mim. Sou muito feliz e grata por isso, pois valeu a pena todo o esforço. Só se torna uma educadora quando se tem a capacidade de olhar o outro com  um olhar de carinho, de afeto", lembrou a professora. 

"Receber esse carinho não tem preço. Não tem salário, não tem dinheiro. Só gratidão por meu trabalho e essas pessoas que passaram por mim. Esse é o grande desafio da profissão. Não é só entrar na sala e acabou. Não! Ser educador vai além da sala de aula. O papel do educador é conseguir fazer e trazer esses alunos pra si. Criar esse vínculo de afeto. Só assim as pessoas vão se transformando e melhorando as suas relações", observou, ainda, a professora.

Secretária municipal de Educação, Esporte e Cultura, professora Veridiana Paganotti lembra que toda a Rede Municipal - tanto pais, estudantes, quanto os próprios educadores - passam por um momento de readaptação.