Boa tarde, Quinta Feira 16 de Julho de 2020

Educação

Professores são denunciados por uso de certificados falsos

Os profissionais recorreram às fraudes para obter melhor colocação em processo seletivo

Sinop | 07 de Fevereiro de 2020 as 12h 09min
Fonte: Geovanna Klaus

Assessor pedagógico de Sinop - Foto: GC Notícias

Aproximadamente 30 professores devem responder na Justiça por usarem certificados falsificados para poder ingressar no serviço de ensino do Estado.  

A denúncia cita os nomes dos aprovados que teriam recorrido às fraudes para obter melhor colocação no processo seletivo que ocorreu em Novembro de 2019. Segundo Vagner Batista, assessor pedagógico de Sinop, os profissionais precisam de 400 horas complementares, que são certificados de atividades obrigatórias adquiridas fora do ambiente escolar e que melhoram o conhecimento, para poder trabalhar nas escolas. E para obter, os suspeitos utilizaram táticas para fraudar os certificados, tirando a possibilidade de outras pessoas de passar na seleção.

“No próprio corpo do certificado é possível ver a adulteração, existe erros gráficos e até de português”, contou o assessor.

Ainda de acordo com Vagner, é possível validar os documentos no site da empresa de cursos online que mostra no documento. Ao colocar o código do certificado, aparece o nome de outra pessoa, outro curso e muda a quantidade de horas, o que comprova a falsificação. Todo esse processo de verificação dos documentos deve ser realizado pelas escolas.

O caso foi informado a ouvidoria e ao setor responsável da Seduc (Secretaria de Educação Estadual).  

Em nota, a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) informou que os certificados falsos apresentados no Processo de Atribuição Simplificado (PAS) em Sinop, foram inativados para o ano letivo de 2020.

Os casos em fase de investigação, foram retiradas a pontuação referente aos certificados. A Seduc fez uma consulta às instituições que expediram os documentos e aguarda resposta.

Caso sejam confirmadas as suspeitas de fraude, as fichas também serão inativadas.

A Seduc reitera que em nenhum momento cogitou validar as fichas do Processo de Atribuição Simplificado que apresentassem fraudes.

O caso também será investigado na esfera criminal e os envolvidos poderão ser denunciados por uso de documento falso e falsificação de documento público.