Bom dia, Domingo 12 de Julho de 2020

Esporte

Goleiro Bruno deve fechar com clube do Mato Grosso por salário de até R$ 6 mil

Aos 35 anos, ele está no regime semiaberto desde julho

Mato Grosso | 08 de Janeiro de 2020 as 11h 07min
Fonte: O Globo

Em regime semiaberto domiciliar desde 19 de julho do ano passado, o goleiro Bruno Fernandes está perto de fechar com o Operário de Várzea Grande, que disputa a primeira divisão do campeonato mato-grossense. Ele foi cotado em vários clubes – entre eles Tupi-MG e Fluminense de Feira de Santana-BA –, mas a boa relação com membros da diretoria do time mato-grossense fez o jogador, de 35 anos, aceitar a proposta.

– O Bruno aceitou nossa proposta por acreditar no projeto. Ele vem com salário mensal dentro do teto do clube, que é de R$ 4 mil a R$ 6 mil. Não vamos fazer loucura –, afirmou o supervisor de futebol do clube, André Xela. Segundo ele, Bruno já pediu preparador de goleiros e deve estar apto para jogar em dois meses.

O diretor de futebol do Operário-MT é Roberto Moraes, irmão de Roni Moraes, que comanda o Boa Esporte, de Varginha-MG, único clube que Bruno defendeu desde que foi condenado a 20 anos e 9 meses de prisão, em março de  2013, pelo assassinato de Eliza Samúdio. No ano passado, o jogador chegou a ser apresentado no Poços de Caldas-MG, mas jogou apenas um jogo, se despedindo do clube em menos de dois meses.

Para que Bruno possa voltar aos gramados, o Operário e a defesa do jogador precisam apresentar à Justiça proposta e contrato de trabalho e o cronograma do clube. Segundo Xela, o Operário terá de enviar a programação mensalmente, para que a Justiça seja informada das viagens do atleta.

Segundo a assessoria do juiz Tarciso Moreira de Souza, da comarca de Varginha, onde Bruno cumpre pena, ainda não houve pedido para liberação de trabalho do jogador. “A praxe para todos os presos do semiaberto é que a pessoa faça a solicitação, juntando comprovações (pré-contrato, proposta de trabalho). O juiz, então, abre vista ao Ministério Público, que se manifesta a respeito, e depois disso, decide”, afirmou o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), em nota.