Bom dia, Sexta Feira 14 de Agosto de 2020

Geral

Após Ferronorte, TCU toma decisão que garante trilhos da FICO

Trilhos vão melhorar a logística do agronegócio no Oeste do Estado

Logística | 29 de Julho de 2020 as 17h 49min
Fonte: Redação

Foto: Divulgação

O Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou nesta quarta-feira (29), a renovação antecipada da concessão da Ferrovia Vitória-Minas, da Companhia Vale. Parte do valor da outorga será utilizado para investimento na implantação da Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (FICO), ligando a cidade de Água Boa, no Vale do Araguaia, até a cidade de Mara Rosa, em Goiás, cujo trilhos se conectarão com a Ferrovia Norte-Sul. As obras da FICO devem ter início no ano que vem, segundo previsão do Ministério da Infraestrutura.

A ligação ferroviária terá uma extensão de 348 quilômetros e vai propor uma opção logística eficiente para o escoamento da produção de grãos da região Centro Oeste, sobretudo de Mato Grosso - maior produtor nacional de grãos, em direção aos portos brasileiros de grande capacidade: Itaqui, no Maranhão, ou ao Porto de Santos, através da conexão com a Ferrovia Malha Paulista.

Na sessão que aprovou a renovação da concessão da Vale e também os investimentos em trilhos entre Mato Grosso e Goiás, o ministro Bruno Dantas, presidente do TCU, relatou encontro que manteve, pela manhã, com a bancada federal do Estado, com a participação do governador Mauro Mendes. Na ocasião, segundo o ministro, ficou evidenciada a importância da implantação da FICO para a logística de grãos do Centro-Oeste.

O Araguaia, a ser atendido inicialmente com a FICO,  tem um potencial de crescimento classificado como “gigantesco”. Sem questões ambientais que envolvem a Amazônia, por exemplo, calcula-se que poderá incrementar a produção nacional em 30 milhões de toneladas nos próximos cinco anos. Hoje, Mato Grosso produz 70 milhões de toneladas de soja, milho e algodão.

Nessa modelagem proposta para ferrovia, a outorga paga pela concessionária passará ao largo dos cofres do Tesouro Nacional, onde correria grande risco de ser capturada. A obra será realizada pelo agente privado, o que em tese dará mais agilidade ao processo de implantação.

 

Entre trilhos

Em maio, após decisão do TCU, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) assinou o contrato para renovação antecipada da Malha Paulista, operada pela Rumo Logística, que assegura o avanço da Ferronorte em Mato Grosso, partindo de Rondonópolis, no Sul do Estado, onde está instalado o maior terminal ferroviário de cargas da América Latina; até Cuiabá, capital do Estado, e depois seguindo até a cidade de Sorriso, no Nortão.

Além da extensão da Ferronorte em Mato Grosso e da implantação da FICO, Mato Grosso aguarda para outra decisão do TCU, que trata da Ferrogrão, que ligará Sinop, também no Norte do Estado, a Miritituba (PA). O plano, acompanhado dos estudos técnicos e das minutas de edital e de contrato, já foi assinado pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. Com 933 quilômetros de extensão, são esperados investimentos de R$ 8,4 bilhões no projeto de concessão.