Boa tarde, Quinta Feira 18 de Julho de 2019

Geral

Casa do Mel em Sinop poderá processar até 200 toneladas de mel por ano

Mais de 60 famílias trabalham com essa atividade, comercializando mel e pólen

Apicultura | 10 de Julho de 2019 as 10h 12min
Fonte: Redação com assessoria

Foto: Assessoria

A apicultura é uma das atividades da agricultura familiar desenvolvidas na região de Sinop. Na Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec), estão cadastradas mais de 60 famílias que trabalham com essa atividade, comercializando mel e pólen. Para beneficiar os apicultores, o Centro de Múltiplo Uso em Apicultura (Casa do Mel), em breve, vai entrar em funcionamento e processar até 200 toneladas de mel por ano.

A Cooperativa Agropecuária Mista de Produtores Rurais De Sinop (Coopernop), responsável pela gestão administrativa da Casa do Mel, está providenciando as últimas adequações para colocar o entreposto em funcionamento. A demora se deve a alterações documentais da cooperativa e ajustes na infraestrutura, a fim de atender as solicitações do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (INDEA). Assim que aprovado, o Centro de Múltiplo Uso em apicultura vai receber o selo do Serviço de Inspeção Sanitária de Produtos de Origem Animal (SISE) e poderá comercializar os produtos para todo o Estado.

De acordo com o técnico agrícola da Sedec, Beno Kaiser, o entreposto do Mel vai possibilitar a ampliação da produção. "O serviço de inspeção vai certificar a produção, ou seja, os apicultores poderão vender seus produtos para o comércio local e exportar dentro do Estado. Atualmente, a comercialização ocorre de maneira informal e limitada. Quando entrar em funcionamento, a Casa do Mel vai, além de ampliar a base produtiva dos apicultores existentes, atrairá para o segmento novos produtores rurais", informou.

A Casa do Mel é composta pelas áreas de recepção, processamento, estoque e expedição de mel e pólen. Todos os equipamentos já foram adquiridos com recursos oriundos da Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco).

COMENTARIOS