Bom dia, Sexta Feira 19 de Outubro de 2018
Saúde Coluna Social Classificados Sobre o Site Fale Conosco

Com 5 opções, IFMT escolhe terreno nos fundos do Daury Riva

GC Notícias | 07/02/2018 18:04

Reitor confirmou a escolha do instituto federal pelo imóvel localizado a 7,5 km do centro de Sinop

O IFMT (Instituto Federal de Mato Grosso), construirá seu campus de Sinop no distante e até agora inabitado Residencial Iguatemi. A posição oficial do instituto foi revela na tarde desta quarta-feira (7), pelo reitor da instituição, Willian de Paula, durante reunião com a prefeita de Sinop, Rosana Martinelli (PR). O IFMT aceitará a área oferecida pela MCK Empreendimentos Imobiliários, no Residencial Iguatemi, loteamento que ainda não começou a ser aberto pela empresa.

O Residencial Iguatemi fica em uma área com mais de 100 hectares localizada no cruzamento das estradas Claudia e Selene, nos fundos do Residencial Daury Riva – há 7 km de distância da Avenida Júlio Campos, no centro de Sinop. O loteamento está na fase de projeto, tendo apenas a sua viabilidade técnica aprovada. A MCK ainda não lançou oficialmente o Residencial Iguatemi. Segundo o diretor da empresa, a MCK realizou reuniões com os gestores do IFMT, oferecendo uma área para instalação do instituto. A oferta foi de um imóvel com 5,5 hectares.

Apesar de distante e praticamente “escondido” o imóvel da MCK foi o escolhido pelo reitor do IFMT. Não por falta de opção. Segundo a prefeita Rosana Martinelli, o município ofereceu essa e outras 4 opções para o instituto. A maior delas, com 5 hectares, no Residencial Paris, vizinho do Aquarela das Artes, onde está sendo erguida a nova sede da Unemat e da Fasipe. Além desta, a gestão ofereceu também uma área de 3 hectares na Avenida Bruno Martini (de propriedade de Gilmar Pavesi), próximo a Fasipe, uma no projeto de loteamento Asa Norte (Dalton Martini) e uma última na estrada Alzira com Estrada Jacinta, onde será aberto um novo loteamento por uma empresa de Sorriso. “A área da MCK era maior porque o projeto deles é mais extenso. O imóvel que está sendo oferecido será uma área institucional”, revela Paulo Abreu, diretor do Prodeurbes.

Ponto vermelho indica a localização do imóvel aceito pelo IFMT


Área institucional é o espaço correspondente a 6% do empreendimento que toda empresa precisa obrigatoriamente doar para a municipalidade, com o proposito de uso público – construção de creches, escolas, praças, etc. A MCK, ao abrir o Residencial Iguatemi, teria que doar 6% para o município. Agora essa área vai direcionada para o IFMT, que automaticamente será um “impulsionador” de vendas, uma vez que melhora a localização do empreendimento.

Como se trata de uma área institucional, a doação terá que passar pela aprovação da Câmara de Vereadores. O executivo terá que encaminhar um projeto de lei ao Legislativo, que deve se posicionar sobre o assunto.

À prefeita, o reitor do IFMT disse que o Instituto buscará nesse ano a aprovação do projeto e também a captação de recursos, em Brasília, para a construção da sede. A previsão é de que em 5 anos todo o projeto seja executado. Não há qualquer recurso confirmado para tal.

 

IFMT silencioso

O GC Notícias já possuía a informação de que a área escolhida pelo IFMT seria da MCK. No dia 30 de janeiro, nossa reportagem encaminhou um e-mail para 3 diretores do Instituto Gilma Chitarra, Jose Barbosa e Carlos Costa, solicitando informações sobre o processo. Também foram feitos contatos por telefone e whatsapp. Nenhuma resposta foi dada.

Os questionamentos foram sobre os critérios considerados para a escolha da área, a oferta de outros imóveis para o IFMT, a forma como o corpo docente foi consultado para a decisão e quem participou do processo de definição. Mesmo se tratando de um órgão público e da doação de uma área pública, não houve interesse em responder a demanda.

A decisão do colegiado do IFMT posiciona a principal instituição de ensino em nível técnico de Sinop em um longínquo ponto do município, próximo de uma população de baixa renda, ao mesmo tempo que é distante das regiões com maior concentração demográfica da cidade. 

Fonte: Jamerson Miléski