Bom dia, Sexta Feira 17 de Agosto de 2018
Saúde Coluna Social Classificados Sobre o Site Fale Conosco

Depois de 8 meses, Estado vai reabrir 20 leitos do Hospital Regional

GC Notícias | 17/05/2018 09:51

Contrato emergencial foi dilatado por mais 6 meses, com algumas ampliações

O governo de Mato Grosso irá postergar, por mais 6 meses, o contrato emergencial firmado com o Instituto Gerir, para administração do Hospital Regional de Sinop. A OSS contratada em novembro do ano passado para suprir com a desistência da Fundação Santo Antônio continuará fazendo a gestão da unidade até novembro de 2018.

O novo contrato, que passa a vigorar a partir de 30 de maio, traz alguns aditivos. O primeiro é no valor do repasse mensal. Quando a Fundação Santo Antônio deixou a gestão do Hospital Regional, o Estado reduziu o valor do custeio de R$ 4,6 milhões para R$ 3 milhões. Agora o valor antigo será reposto. O Instituto Gerir receberá mensalmente R$ 4,2 milhões nesse novo contrato.

Com isso, voltam a ser reabertos 20 leitos de internação. O Hospital Regional de Sinop foi projetado para comportar 120 leitos. Chegou a ter 91 leitos instalados. No entanto, quando o Instituto Gerir assumiu, o Estado reduziu o funcionamento para 55 leitos. O novo contrato amplia a capacidade de atendimento para 75 leitos.

O novo contrato assinado pelo governador Pedro Taques (PSDB), também prevê o repasse de R$ 6 milhões para reforma, ampliação e adequação do imóvel. O valor será parcelado em 6 vezes, perfazendo assim um investimento de R$ 1 milhão por mês. Esse recurso vinha sendo pleiteado pela Fundação Santo Antônio desde a posse do governador Pedro Taques.

O novo contrato também sinaliza o repasse de R$ 1 milhão para a aquisição de equipamentos.

O Hospital Regional, localizado em Sinop, atende a 14 municípios que fazem parte do Consórcio de Saúde do Vale do Teles Pires: Cláudia, Feliz Natal, Ipiranga do Norte, Itanhangá, Lucas do Rio Verde, Nova Maringá, Nova Mutum, Nova Ubiratã, Santa Carmem, Santa Rita do Trivelato, Sinop, Sorriso, Tapurah, União do Sul e Vera.

 

Projeção das mudanças que serão feitas na recepção

Fonte: Jamerson Miléski