Boa tarde, Terça Feira 19 de Fevereiro de 2019

Geral

Empresa inicia teste do sistema de radares

Como parte da licitação, empresa instalará 3 equipamentos para avaliar o funcionamento por 7 dias

Sinop | 07 de Dezembro de 2018 as 16h 00min
Fonte: Jamerson Miléski

| Foto: GC Notícias

A instalação de um equipamento de monitoramento de trânsito, na Avenida Júlio Campos, próximo ao Banco do Brasil, em Sinop, despertou a curiosidade da população local. Desde 1º de novembro, quando a prefeitura de Sinop lançou uma licitação, no valor de R$ 9,9 milhões, para locação de radares, o assunto é alvo de críticas e ilações.

A instalação do aparelho, similar a um radar, faz parte do processo de licitação. Foi o que explicou o secretário de Trânsito do município, Mauro Garcia. Segundo ele, cabe a empresa que apresentou a melhor oferta fazer uma tomada de testes, para que a secretaria avalie as condições de medição desses equipamentos. Caso os testes sejam positivos, a licitação prossegue para homologação e a empresa é contratada. “Serão 7 dias de testes. Esses equipamentos não estão multando, apenas simulando as condições normais de trânsito, gerando relatórios que serão avaliados pela secretaria”, explicou Garcia.

O equipamento instalado na Avenida Júlio Campos é um “Reinspetor Veicular”. Basicamente, o que ele faz é registrar fotograficamente veículos com mais de dois eixos ou de carga que estejam trafegando na Avenida (o que é proibido pela sinalização).

Outros 2 equipamentos serão instalados nessa tomada de testes. No cruzamento da Avenida das Sibipirunas com Júlio Campos, será colocado um monitor de avanço de faixa de pedestre e semáforo. Esse equipamento registra com fotos os motoristas que não respeitam esses marcadores.

O terceiro equipamento será um radar de velocidade, na Avenida Dom Henrique Fröelich, próximo do cemitério.

Os equipamentos são da Serget Mobilidade Viária Ltda, empresa de São Paulo que apresentou a melhor proposta de preço no pregão presencial 063/2018, lançado pela prefeitura. A empresa se propôs a instalar os 107 dispositivos eletrônicos de monitoramento do trânsito, mais o suporte tecnológico pelo seu funcionamento, por R$ 8,7 milhões. O valor inicial da prefeitura era de R$ 9,9 milhões.

Todo pacote de tecnologia embarcada no trânsito será alugado, pelo período de 2 anos. A prefeitura pagará mensalmente, tendo uma carência de 7 meses.

Apesar da resistência da população, Garcia continua defendendo o sistema de radares. Segundo ele, nesse ano a secretaria conseguiu 254 menos acidentes que no ano passado, graça a presença de 5 agentes monitorando o trânsito por dia. “Ainda assim tivemos 66 óbitos em 2018, que são 7 a mais que em 2013. Nós sabemos que R$ 8,7 milhões para dois anos é um investimento alto, mas sabemos que a saúde consome R$ 15 milhões para tratar dos acidentados. Fora aqueles que não conseguem se recuperar”, pontuou o secretário.

 

Como vai funcionar?

O sistema vai acabar com as discussões com o Guarda de Trânsito. Todas as multas geradas por esses equipamentos terão uma foto do motorista cometendo a infração. Ele até pode recorrer, mas a subjetividade da avaliação de um guarda não é mais um fator determinante.

Segundo Garcia, caso os testes sejam positivos, a empresa deve ser contratada no final de dezembro, e iniciará a instalação em janeiro ou fevereiro. Quando todo sistema estiver pronto, a população será avisada. “Ainda assim vamos estabelecer 30 dias para que os condutores façam uma adaptação. Se forem flagrados pelos radares nesse período, receberão uma notificação, similar a uma multa, informando a infração, mas sem a punição financeira”, explicou Garcia.

O sistema contratado consegue fazer fotos de motoristas andando sem cinto de segurança, falando ao celular ou mesmo com a documentação atrasada.

O sistema conta com 107 dispositivos eletrônicos para controle de velocidade, avanço de sinal e monitoramento de veículos.

São os 48 equipamentos fixos de controle de velocidade (método não intrusivo), os famosos “pardais”. Esses equipamentos serão instalados em 15 cruzamentos da cidade de Sinop, apontados como os mais perigosos pela secretaria municipal de Trânsito, ou com mais condições dos veículos imprimirem velocidade. Desses 15 cruzamentos, 12 ficam em avenidas. É o caso do cruzamento na Avenida Bruno Martini, próximo a creche Gente Feliz, a baixada na Avenida das Itaúbas, entre a Flamboyants e a Jatobás, e a Avenida Joaquim Socreppa (perimetral Sul), com Sibipirunas.

Além dos 48 “pardais”, a prefeitura também vai locar 24 equipamentos “híbridos”, que medem além da velocidade dos veículos, o avanço de sinal vermelho nos semáforos e os veículos que param sobre a faixa de pedestre. Estes serão utilizados apenas nos semáforos da Avenida Júlio Campos. Esses equipamentos registram a velocidade que o veículo se aproxima do semáforo, o desrespeito ao sinal e a faixa de pedestres. O equipamento funciona com uma certa tolerância nos períodos noturnos (em função do perigo de assaltos).

A licitação também inclui o aluguel de dois equipamentos do tipo barreira – similares ao instalado próximo ao viaduto do São Cristóvão. Eles serão colocados na Avenida dos Tarumãs, perto da Rua das Avencas, e na Avenida André Maggi, perto da creche Gente Feliz.

Além dos equipamentos fixos, o município contratará dois “pardais” móveis e cobrirá outros 20 pontos da cidade com câmeras de monitoramento. A licitação inclui uma central de monitoramento e os softwares necessários.

Conforme o edital, o que a prefeitura está contratando é um “estudo de trânsito”. Esses equipamentos eletrônicos vão monitorar o comportamento dos condutores de Sinop. As infrações expedidas terão caráter pedagógico. Ao final do contrato de locação, a secretaria terá em mãos um balanço estatístico, com informações da velocidade média do tráfego local antes e depois da instalação desses equipamentos, bem como o número de acidentes e de vítimas antes e após a intervenção.

COMENTARIOS