Boa noite, Sexta Feira 20 de Julho de 2018
Saúde Coluna Social Classificados Sobre o Site Fale Conosco

Mãe biológica pega filha na casa dos pais adotivos em MS, foge para MT e é procurada pela polícia

GC Notícias | 12/07/2018 08:29
Família adotiva não tem notícias da criança desde 30 de junho
(Foto: Arquivo pessoal)
Família adotiva não tem notícias da criança desde 30 de junho

Gleice Mara Dias pegou menina para visita autorizada pela Justiça e não a devolveu

Gleice Mara Dias, mãe biológica de Maiza Valentina Matos Camargo, de 6 anos, é procurada pela polícia depois de ter pego a filha no dia 30 de junho, com a promessa de devolvê-la aos pais adotivos no dia seguinte. A mulher, entranto, teria fugido para Rondonópolis, a 691 km de Sinop, onde mora e não foi mais vista.

De acordo com os pais adotivos, que moram am Boa Vista (MS), a suspeita é de que Gleice teria levado a menina para Rondonópolis.

No entanto, a polícia foi acionada, esteve na casa da mulher, mas não a encontrou. Não há pistas de onde as mãe e filha possam estar.

Ainda segundo a família adotiva, mãe biológica teria entregado espontaneamente a criança ao servidor público João Gomes Carvalho e à mulher dele, Jane Mary Garcia Mattos Carvalho, em 2014. Na época, a menina tinha 2 anos.

A menina é filha do irmão de Jane, que foi casado com Gleice por quatro anos. Quando o casal se separou, nenhum dos dois queria ficar com a menina.

Gleice, então, teria procurado Jane pedindo para que ela ficasse com a criança. De acordo com eles, a mãe biológica dizia que queria entregar a menina, porque tinha a intenção de se mudar para Portugal.

Em outubro do ano passado, João e Jane conseguiram a guarda definitiva de Maiza. Mas, no início de 2018, Gleice procurou a Justiça para revogar a decisão e ter a filha de volta, o que foi negado em primeira instância.

Após a derrota, la ingressou com processo para ter direito de visitar Maiza, o que foi concedido. A primeira visita autorizada foi no dia 30 junho, quando ela desapareceu levando a filha.

A família adotiva registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil, que contatou a polícia de Mato Grosso para investigar o caso.

Gleice havia contratado a advogada Ingrydys Hananda Mingoti para defendê-la no processo, que inclusive, esteve na casa dos pais adotivos no dia da visita.

 

Fonte: G1 MT