Bom dia, Segunda Feira 20 de Novembro de 2017
Saúde Coluna Social Classificados Sobre o Site Fale Conosco

Paciente morre após receber medicação

GC Notícias | 18/04/2017 10:00

Sindicância irá apurar se houve negligência médica na UPA de Sinop

João Francisco Rodrigues Cutrim veio a óbito dentro da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) de Sinop, instantes após ser medicado. O paciente deu entrada na unidade por volta das 14h40 da última quinta-feira (13), recebeu o atendimento às 17h e morreu minutos depois.

As informações preliminares apontam indícios de negligência médica. Após passar pelo cadastro na recepção da unidade, João Francisco foi submetido à triagem, onde informou aos enfermeiros que era alérgico a Penicilina – antibiótico considerado “a primeira escolha” no tratamento de infecções bacterianas. A alergia do paciente foi anotada no prontuário médico pela equipe de enfermagem. Mas acabou sendo ignorada pela médica de plantão, que receitou o medicamento.

João teria recebido uma dose de penicilina intravenosa administrada pelos técnicos de enfermagem, conforme a receita médica expedida. Cerca de um minuto após a aplicação o paciente morreu. Vídeos de circuito interno registraram os procedimentos e a morte de João. A equipe médica tentou levar o paciente para emergência, mas já era tarde.

Conforme uma fonte do GC Notícias, a médica alegou que não receitou penicilina para o paciente. João Francisco era tabagista e tinha quadro de cardiopatia, complicadores que podem ser uma segunda explicação para o óbito.

A secretaria de Saúde de Sinop informou através de nota que abriu uma sindicância para apurar os fatos. A UPA é gerenciada pela Adesco (uma Oscip contratada pelo município), que deverá conduzir a investigação. A secretaria afirmou que já pediu o afastamento imediato da equipe envolvida até a conclusão do processo de sindicância. Os resultados das investigações serão encaminhados para os órgãos de controle como Ministério Público, CRM, COREM, CRF e demais órgãos competentes.

A secretaria ainda determinou o acompanhamento da Comissão Permanente de Controle e Avaliação (CPCA) em todos os processos zelando pela ética, moral e os preceitos legais.

Fonte: Jamerson Miléski