Bom dia, Sexta Feira 24 de Novembro de 2017
Saúde Coluna Social Classificados Sobre o Site Fale Conosco

Piora qualidade das rodovias estaduais e federais em MT, diz CNT

GC Notícias | 08/11/2017 08:30
Trecho da MT-240, em Alto Paraguai, foi classificado como péssimo em pesquisa
Foto: CNT Rodovias/Reprodução
Trecho da MT-240, em Alto Paraguai, foi classificado como péssimo em pesquisa

Mais de 70% as estradas avaliadas em pesquisa apresentaram algum tipo de deficiência

A qualidade das rodovias federais e estaduais em Mato Grosso piorou durante o último ano, segundo aponta a pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Transportes (CNT). Da extensão total avaliada este ano, 71,1% das estradas apresentaram algum tipo de deficiência no pavimento, na sinalização ou na geometria da via. Em 2016, 61,9% das rodovias apresentaram problemas.

A pesquisa CNT de Rodovias foi divulgada nesta terça-feira (7), após avaliar a totalidade das rodovias federais e as principais rodovias estaduais pavimentadas. Neste ano, foram analisados 4.842 km de rodovias pavimentadas do estado, que possui um total 3.995 km de extensão federal e 4.057 km de extensão transitória, estadual ou municipal. Em 2016, a avaliação havia sido feita em 4.731 km.

Segundo os pesquisadores, a infraestrutura precária das rodovias afeta diretamente o desempenho operacional e a segurança dos usuários, bem como pode dificultar o escoamento da produção do estado, \\\"reduzindo a competitividade dos produtos brasileiros e aumentando os custos para a sociedade\\\".

Da extensão total avaliada nesta edição, apenas 172 km (3,6%) foram classificados como em ótimas condições pela pesquisa e 1.227 km (25,3%), como \\\"bom\\\". A maior parte das rodovias avaliadas, num total de 1.837 km (37,9%) , foi apontado como regular e 1.127 km (23,3%) como ruins. O restante, 479 km (9,9%), recebeu avaliação \\\"péssima\\\" pelos pesquisadores da CNT.

Conforme a pesquisa, 62,6% das rodovias avaliadas apresentaram problemas na pavimentação, como desgaste na superfície do pavimento (43,5%) e trincas ou remendos (38,5%). A geometria de 72,6% das rodovias também apresentarou deficiências, segundo a CNT.

Já 65,4% das estradas apresentaram sinalização entre regular e péssima, com falhas como pinturas das faixas centrais desgastadas (47,8%) ou inexistentes (12,7%), assim como faixas laterais apagadas (43,6%) ou ausentes (19,6%). Outros problemas de sinalização encontrados foram a ausência de placas de limite de velocidade em 22% das rodovias avaliadas, assim como de placas de indicação (13,5%).

A existência de mato cobrindo as placas de sinalização foi constatado em apenas 3% dos trechos avaliados, enquando 6,9% das vias não possuiam placas instaladas. A legibilidade das placas de sinalização também foram verificadas, sendo que 5,5% apresentavam texto desgastado e 1,1%, ilegíveis.

Classificação das rodovias

De uma forma geral, as rodovias federais que cortam o estado foram avaliadas como regulares ou boas. Entre as rodovias que foram avaliadas como ruins estão a MT-208 e a MT-154. Já as rodovias MTs 240, 246, 255, 343, 358 e 483 foram avaliadas como péssimas.

A MT-060/BR-070 foi a única a ser classificada como ótima na pesquisa, enquanto a MT-130 e a BR-251 foram avaliadas como boas.

Fonte: G1 MT