Bom dia, Segunda Feira 20 de Novembro de 2017
Saúde Coluna Social Classificados Sobre o Site Fale Conosco

Prefeitura vai pagar R$ 63,2 mil para associação dar abrigo aos moradores de rua

GC Notícias | 31/08/2017 18:35

Entidade dará cama, café da manhã e janta para pessoas em situação de vulnerabilidade

 

A prefeitura de Sinop – pela primeira vez em muitos anos – passa a ter uma política pública com estratégia para tratar do problema dos moradores de rua. Com a ajuda de uma entidade de utilidade pública, o município terá um local para abrigar temporariamente pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Para tal, a secretaria de Assistência Social do município firmou um contrato com a Associação Vasos do Oleiro – uma entidade fundada no ano de 2011, sem vínculo religioso, que possui uma Casa de Apoio e Passagem no município. Esse termo de colaboração, cuja licitação foi dispensada, prevê o repasse de R$ 63.206,66 para a Associação, entre agosto e dezembro desse ano.

Por esse valor, a instituição disponibilizará até 30 vagas por mês. Conforme a secretária de Assistência Social, O Serviço de Acolhimento - modalidade Casa de passagem - atenderá pessoas e famílias que estão de passagem pelo município, por um período de 1 a 30 dias. O compromisso da associação é receber essas pessoas direcionadas pela secretaria, oferecendo café da manhã e jantar obrigatoriamente, e almoço somente em casos excepcionais, para usuários enfermos.

O serviço será regulado pela Secretaria de Assistência Social. Para que a pessoa tenha acesso à casa de passagem é preciso passar pelo CREAS (Centro de Referência Especializado em Assistência Social), onde é realizada a triagem. A entidade também presta orientações sobre os serviços ofertados na rede socioassistencial e realiza a mediação para inserção no mercado de trabalho.                      

Esse tipo de serviço foi necessário para dar suporte a uma ação recente da prefeitura. No mês de julho, agentes da Assistência Social fizeram uma intervenção junto aos moradores de rua que ocupavam por semanas uma praça localizada em frente a Catedral. Muitas pessoas reclamavam da concentração de mendigos e usuários de drogas naquele local, que fica no centro da cidade. Depois de muitas queixas, a secretaria interveio, auxiliou as pessoas que precisavam retornar aos seus municípios de origem, encaminhou alguns para centros de reabilitação e outros, temporariamente, para a casa de passagem.

Conforme a assessoria da prefeitura, não apenas aqueles retirados da rua (praça da catedral e/ou outros pontos), serão atendidos através desse convênio. O serviço será utilizado a partir de agora para pessoas em situação de passagem pelo município e que, a partir da triagem realizada pelo CREAS, apresentarem o perfil correspondente. “No caso daqueles moradores de rua alcançados pela ação da secretaria, naquele trabalho lá no início do mês, a maioria foi encaminhada para instituições de tratamento e recuperação de dependentes químicos. A casa de passagem acolheu os moradores por um período, especialmente enquanto esperavam para embarcar para seus municípios de origem. Hoje, são poucos os que permanecem na Vasos do Oleiros, por ser lá um ponto de passagem e onde a pessoa pode ficar por, no máximo, 30 dias”, explica a secretária de Assistência Social, Josi Seger.

O valor de R$ 63,2 mil corresponde a 30 vagas por mês pelo período de 4 meses. O custo por morador de rua atendido será de R$ 526,77.

Fonte: Jamerson Miléski