Boa tarde, Quarta Feira 14 de Novembro de 2018
Saúde Coluna Social Classificados Sobre o Site Fale Conosco

Vereadores votam apelo para que Taques pague os atrasados do Hospital

GC Notícias | 05/11/2018 18:05
Foto: Redação

Moção pede atenção de senadores e deputados para o caos instalado na unidade

Limitados à prerrogativa de suas funções, os vereadores de Sinop apresentaram uma “moção de apelo”, para que as lideranças políticas do Estado ajudem a colocar em dia as contas do Hospital Regional. A moção foi votada por unanimidade na sessão desta segunda-feira (5).

O apelo é direcionado ao governador do Estado, Pedro Taques (PSDB) e aos senadores, deputados federais e estaduais de Mato Grosso. O documento pede que o Estado honre com os compromissos firmados no contrato de gestão firmado com o Instituto Gerir.

A moção destaca a necessidade do Estado fazer o repasse, referente a custeio, dos meses de agosto, setembro e outubro de 2018, para que a OSS possa colocar os salários em dia. Os vereadores também pedem para que sejam repassados recursos para aquisição dos insumos básicos para o funcionamento do Hospital, a manutenção dos equipamentos deteriorados e a regularização dos atendimentos relacionados a cirurgias. Por fim, a moção de apelo clama pela apresentação imediata de um plano de contingenciamento, para que o Hospital volte a atender as demandas da população local.

Conforme o GC Notícias vem informando, a situação do Hospital Regional é calamitosa. Os funcionários da unidade ainda não receberam seus salários referentes a setembro. O Estado não tem efetuado o repasse mensal, referente ao custeio da unidade, em dia. Médicos reduziram o volume de cirurgias ao ponto que, na última quinta-feira (1), pacientes internados na UPA pediram alta para protestar em frente ao Hospital.

O Hospital Regional de Sinop é administrado pelo Instituto Gerir, que no Estado também é responsável pelo Hospital Regional de Rondonópolis. Por mês, essa OSS deveria receber R$ 4,2 milhões, a título de custeio, para manter o Regional de Sinop em pleno funcionamento.

Fonte: Jamerson Miléski