Bom dia, Segunda Feira 20 de Novembro de 2017
Saúde Coluna Social Classificados Sobre o Site Fale Conosco

Ambulante vendendo lanche pra Câmara

GC Notícias | 28/04/2017 17:04

O poder legislativo de Sinop passou as últimas semanas discutindo sobre o comércio ambulante do município. Alguns vereadores defenderam outros criticaram o “rapa” feito pela prefeitura, a mando do Ministério Público. Quase unânime, no entanto, foi a opinião de que os comerciantes ambulantes da cidade, em especial aqueles que vendem comida, precisam se regularizar e ter o direito de trabalhar, desde que dentro da lei e das normas sanitárias.

O que não foi dito é que a própria Câmara é cliente de um serviço ambulante de alimentação. Não estamos falando de vereadores fãs de espetinho ou do “podrão” da esquina. O cliente, nesse caso, é a instituição Câmara de Sinop.

Através do contrato 004/2017, firmado no dia 10 de abril, a Câmara se comprometeu a comprar o equivalente a R$ 4.071,50 em salgadinhos, bolo de chocolate e sucos da empresa Joilson Nunes Rodrigues ME (CNPJ sob nº 12.776.850/0001-65). Essa empresa, que na verdade é um CNPJ de Micro-Empreendedor, tem sede na Rua São Cristóvão, 325 – Bairro São Cristóvão. O CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) dessa empresa é 5612-1/00, que corresponde a “Serviços Ambulantes de Alimentação”.

Sim! temos um ambulante legalizado, dentro da norma, vendendo para a Câmara. Mas vendendo exatamente o que? Joilson Nunes Rodrigues irá entregar para o poder legislativo de Sinop 5.100 salgadinhos fritos mistos (coxinha, pastel, croquete), 34 quilos de bolo de chocolate e 119 litros de suco. Mas os quitutes não são para a boca dos marmanjos. Conforme o contrato, a compra é para atender as 17 sessões da Câmara de Vereadores Mirim, um projeto do legislativo municipal que simula sessões plenárias com alunos das escolas da cidade na função de edis. O lanche da garotada custará em média R$ 240,00 por sessão.

Quando alguém falar que a Câmara não faz nada pelos ambulantes, lembre-se de Joilson Nunes Rodrigues, o vendedor de quitutes do São Cristóvão.