Bom dia, Sexta Feira 24 de Novembro de 2017
Saúde Coluna Social Classificados Sobre o Site Fale Conosco

Atacou o fígado

GC Notícias | 14/11/2017 16:24

Durante a discussão do projeto de lei de sua autoria, sobre a venda de bebidas alcóolicas adulteradas, o vereador Luciano Chitolina (PSDB), deu uma expurgada. Ele não ficou nem um pouco satisfeito com o departamento de assessoria jurídica da Câmara, que emitiu um parecer contrário para o seu projeto. Para os advogados do legislativo, o que Chitolina estava servindo não era legal.

Mas o ex-presidente da CDL acabou batendo na mesa e convencendo seus colegas a exarar parecer favorável pela tramitação do projeto. Na tribuna, justificou a legalidade comparando sua tentativa de lei com um projeto bastante similar, que passou pela Câmara há pouco mais de um mês. Chitolina lembrou do projeto apresentado por vereadores que versa sobre a venda de combustível adulterado e que teve o parecer favorável do jurídico. “Qual é a diferença? Por acaso o motor do carro é mais importante que a saúde das pessoas? Se o município pode punir quem vende combustível que vai prejudicar o funcionamento do carro, porquê não pode fazer o mesmo com quem vende bebida que fará mal a saúde das pessoas?”, indagou o vereador.

A esturrada veio acompanhada da declaração de que, a partir de agora, o vereador não irá mais se guiar pelos pareceres jurídicos da Câmara. A postura é antagônica à seguida pela maioria dos vereadores, que prima pelas orientações dos advogados da Casa de Leis para tomar suas decisões.

Nessa caixa de 15, Chitolina passa a ser aquela única garrafa com o rótulo diferente.