Boa tarde, Segunda Feira 22 de Outubro de 2018
Saúde Coluna Social Classificados Sobre o Site Fale Conosco

Governador Titanic

GC Notícias | 16/01/2018 11:44

O midiático Pedro Taques (PSDB) – aquele mesmo que planta perguntas em entrevistas coletivas – pariu mais uma galhofa nessa segunda-feira (15). No auge da sua ocupação com os problemas do Estado de Mato Grosso, o governador tirou um tempo para gravar um vídeo resposta à prefeita de Sinop, Rosana Martinelli (PR). Uma verdadeira aberração.

Taques começa dizendo que os recursos para o Hospital Santo Antônio, de Sinop, haviam sido liberados ainda na sexta-feira (12), e não nesta segunda-feira, como disse Rosana após a reunião realizada com a secretaria de Saúde em Cuiabá. O governador disse isso, creditando a “conquista” aos seus aliados políticos, Dilmar Dal’Bosco e Nilson Leitão. Encerrou dizendo que não faz “politicalha” com a saúde e que Sinop deveria fazer a sua parte na saúde.

O retruco começa com o conflito de datas. Até sábado (13), pela manhã, o Hospital Santo Antônio não tinha nenhuma posição sobre o recebimento dos repasses atrasados. O diretor da unidade, Wellington Randal, criticou em uma entrevista ao vivo na Rádio 89.3, a total falta de manifestação, informando que só continuaria atendendo pelo SUS em razão de uma reunião marcada para segunda-feira na capital – a tal reunião que Rosana participou.

Ainda na quinta-feira, o GC Notícias encaminhou para secretaria estadual de saúde um pedido de posicionamento. Veio uma nota enxuta, que basicamente reconhecia a dívida do Estado com a Fundação, com 5 meses e meio de repasses atrasados. Na sexta-feira, às 19h, a secretaria mandou uma nota com os seguintes dizeres: “Sobre o Hospital Santo Antônio, na próxima segunda-feira (15) pela manhã está marcada uma reunião em Cuiabá entre a prefeita de Sinop, Rosana Martinelli, e o secretário de Estado de Saúde, Luiz Soares, para discutir a respeito da gestão do hospital. Sobre os pagamentos, o governo do Estado está fazendo esforços para fazer o pagamento de cerca de R$ 3,4 milhões referente aos processos de setembro e outubro. Quanto aos pagamentos de julho e agosto, os pagamentos que já haviam sido feitos pelo Estado (parte de julho e o mês de agosto), no valor de R$ 2,571 milhões, foram bloqueados pela 2ª Vara do Trabalho de Sinop para o pagamento de dívidas trabalhistas da Fundação de Saúde Comunitária de Sinop, gestora do Hospital Santo Antonio”.

Se Taques havia liberado o pagamento na sexta-feira a pedido de Leitão e Dilmar, ele se esqueceu de avisar a secretaria de Saúde. O mais provável é que, depois da reunião, os aliados políticos tenham cobrado de Taques para que recebessem os louros. Mas afinal, louros do que?

O convênio com o Hospital Santo Antonio, para estes procedimentos, existe há uma década. A maior parte do dinheiro desse contrato (R$ 900 mil), vem direto do governo federal e pára nos cofres do Estado. A função do Estado é medir o serviço feito e liberar o recurso – ou então negá-lo, caso a fundação não tenha feito o serviço para qual foi contratada. Ao invés disso, processos cozinham nas escrivaninhas do Estado por mais de 6 meses. Precisa de dois deputados ou uma prefeita para liberar o dinheiro? Sério?

O outro ponto é o assunto da tal reunião. A proposta do Estado foi para que a prefeitura assuma o contrato com o Santo Antônio. Esse foi o teor da conversa. Ou seja, o estado está admitindo que é incapaz de fazer a gestão do convênio a contento. Talvez seja uma boa saída, na analogia de Taques, firmar um TAC com os dois deputados, para que eles façam o convênio direto com a Fundação. Assim tiraria inclusive todos os atravessadores. Ops, isso não é possível.

Por fim, a incoerência desse governador que fala em um vídeo que não faz politicalha com a saúde quando, tudo que está fazendo neste vídeo é politicalha. Taques traz seus aliados políticos na coleira e os alimenta com migalhas de um pão fedorento. Ou você acha que dá para aplaudir Leitão e Dilmar por conseguirem liberar 2 pagamentos, de 5 que estão atrasados, que o hospital já deveria ter recebido há meses? Esse é o tipo de “conquista” que o governador partilha.

No começo do seu 4º ano de mandato, Taques é um governador Titanic: começou grandioso, vociferando ego, declarando ser imparável. No entanto, já na sua primeira viagem viu suas bases sendo estraçalhadas, o porão enchendo de água e a tripulação em pânico. O naufrágio desse governo já começou e, esse sim, é imparável. Assim como na história original, os ricos já tem um bote de salvação. O resto da plebe que navega com Taques afundará no obscuro oceano da saúde pública de Mato Grosso.