Bom dia, Domingo 19 de Novembro de 2017
Saúde Coluna Social Classificados Sobre o Site Fale Conosco

Bope dá ultimato para presos se renderem e entregarem as armas

GC Notícias | 12/04/2017 10:24

Negociação com os rebelados foi retomada na manhã desta quarta-feira (12)

Pelo menos 6 amotinados estão mantendo outros presos de reféns no Raio Verde, do Presídio Ferrugem, em Sinop. A rebelião deflagrada na manhã de terça-feira (11), já contabiliza 5 mortos e 11 feridos, de acordo com os números oficiais confirmados pela secretaria estadual de Segurança Pública. Dois detentos foram decapitados, dois baleados e um morreu de infarto. Informações de bastidores dão conta que o número de mortes pode ser ainda maior.

Na manhã de hoje, quarta-feira, representantes dos Direitos Humanos e da Secretaria de Segurança Pública retomaram as negociações. Foi dado um prazo para que os detentos entreguem as armas e se rendam. As autoridades já confirmaram a existência de duas armas de fogo dentro da penitenciária. O representante da secretaria de Segurança sinalizou positivamente a transferência de presos e as mudanças nos horários de visitação – solicitada pelos presos que deflagraram a rebelião. Caso a proposta de rendição não seja aceita, as forças de segurança irão fazer um plano de invasão.

Os amotinados estão concentrados no Raio Verde do Presídio Ferrugem, conhecido como “Igreja”. É nessa ala que estão os reeducandos que recebem instrução e acompanhamento de pastores evangélicos. Os rebelados tomaram os presos do Raio Verde como reféns, utilizando os que cumprem pena por crimes sexuais como escudo humano. Um deles é João Ferreira, o pedreiro que ficou conhecido por estuprar e matar o menino Bruno (caso de ampla repercussão em Sinop).

A estratégia da secretaria de Segurança é evitar o confronto direto para evitar mais mortes. No entanto, equipes do Bope, da Rotam, Polícia Militar e Agentes Penitenciários estão em campana dentro e fora do presídio. São pelo menos 80 homens incumbidos de dissolver a rebelião.

As forças de segurança e os agentes dos Direitos Humanos estão pedindo às companheiras e familiares dos detentos, que conversem com eles e convençam a rendição. 

Fonte: Jamerson Miléski