Bom dia, Quinta Feira 13 de Dezembro de 2018

Polícia

Em MT, 20 mil famílias na zona rural não têm acesso à energia elétrica

Dados são do diretor-presidente da Energisa em MT

Mato Grosso | 31 de Março de 2018 as 11h 39min
Fonte: G1 MT

Previsãoda concessionária é que até 2019 o serviço chegue a 100% da população | (Foto: Ager-MT/Divulgação)

Em Mato Grosso, 20 mil famílias na zona rural ainda não têm acesso à energia elétrica. Os números são do diretor-presidente da Energisa em Mato Grosso, Riberto José Barbarena, responsável pelo serviço no estado. A falta de rede nessas localidades é o principal empecilho para o fornecimento da energia elétrica.

“É inimaginável que em pleno século 21 essas não tenham acesso à energia elétrica. Nós tínhamos o compromisso com o Ministério de Minas e Energia de levar energia para essas pessoas até 2020 e vamos antecipar esse acordo”, afirmou Riberto.

A previsão é que até 2019, 100% da população no estado tenham energia elétrica em casa.

A falta de investimento é apontada por Riberto como fator determinante para essa estatística.

“O último grupo responsável pelo fornecimento no estado não tinha condição de fazer investimento. Até por isso que decretaram falência. Os futuros investimentos vão resolver dois dos nossos objetivos: levar energia a todos e melhorar a qualidade do serviço”, declarou.

A previsão da concessionária é que R$ 700 milhões sejam investidos no estado.

Aumento na Tarifa

A tarifa de energia em Mato Grosso deve ser reajustada a partir de abril. Segundo Riberto, a correção tarifária é feita a cada cinco anos. O valor final do reajuste ainda deve ser informado pela concessionária.

A expectativa, entretanto, é que o aumento gire em torno de 8,5%.

Reclamações

Em março deste ano, a categoria de 'Serviços Essenciais' liderou o ranking de reclamações no Procon em Mato Grosso. Liderando este setor, a energia elétrica teve 471 atendimentos, seguido de água e esgoto com 277 registros.

O valor da conta e as oscilações no fornecimento são as principais reclamações dos consumidores.

 

COMENTARIOS