Bom dia, Quarta Feira 20 de Março de 2019

Política

Após 16 anos, STF engaveta ação contra Leitão por fraude em licitação

Crime do qual deputado era acusado acabou de prescrever

Justiça que tarda | 18 de Abril de 2018 as 10h 41min
Fonte: Jamerson Miléski

O STF (Supremo Tribunal Federal), determinou a extinção da punibilidade do deputado federal e ex-prefeito de Sinop, Nilson Leitão (PSDB). A decisão foi expedida de forma monocrática pelo ministro Dias Toffoli no dia 9 de abril e publicada nesta segunda-feira (16). Toffoli foi o relator do inquérito que apurou a denúncia de fraude em licitação, para a execução de 3 obras em Sinop. Com a decisão o processo será arquivado sem que o mérito seja julgado. Isso porque o crime ao qual Leitão respondia prevê pena máxima de 12 anos de prisão e já se passaram 16 anos do ocorrido.

A ação começa como um inquérito aberto pelo Polícia Civil de Sinop, no ano de 2001, o primeiro da gestão de Nilson Leitão como prefeito do município. A denúncia foi feita por José Haroldo Coelho Santiago, que apontou uma série de irregularidades nos processos licitatórios. Nela, estavam indícios de fraude em licitação para a execução de 3 obras: a pavimentação da estrada de acesso ao aeroporto, a terraplanagem da praça da igreja matriz e a pavimentação (calçadas) da praça da mesma igreja. Para execução dessas 3 obras, a equipe de licitação do ex-prefeito enviou 3 cartas convites para 3 empresas: J.B.S Consultoria e Projetos, Três Irmão Engenharia Ltda e Valor Engenharia. As duas últimas pertencentes ao mesmo dono, o ex-secretário de indústria e comércio de Mato Grosso, Carlos Avalone.

O processo se arrastou no judiciário nos últimos 16 anos. Integrantes da equipe de licitação e também os representantes das empresas foram ouvidos, houve quebra de sigilo bancário para levantar transações financeiras mas a Polícia Federal não concluiu o relatório final. Depois de uma década e meia sem resolução, Leitão ingressou com um pedido para declaração da extinção de sua punibilidade, uma vez que reconhecia a prescrição da sua eventual pena. A Procuradora-Geral da República, Raquel Elias Ferreira Dodge, reconheceu como legítimo o pleito de Leitão e o ministro Dias Toffoli, homologou a posição do Ministério Público Federal.

A morosidade do judiciário inocentou Leitão sem que a denúncia fosse considerada infundada. A lentidão, no entanto, não pode ser atribuída em sua totalidade ao STF. O inquérito foi aberto em 2001 e ficou sob a tutela do juízo da comarca de Sinop até o final de 2010, quando Nilson Leitão foi diplomado deputado federal. Só então, por prerrogativa do foro privilegiado, o processo foi desmembrado e remetido à corte suprema, onde “cozinhou” por mais 8 anos.

A decisão arquiva o processo e torna Leitão imune a condenação por esses crimes contidos na denúncia. A determinação se estende a Polícia Federal, que terá que suspender a análise do material colhido com a quebra do sigilo bancário.

O inquérito pode ser encontrado no site do STF pelo número 3.632

COMENTARIOS