Bom dia, Terça Feira 17 de Outubro de 2017
Saúde Coluna Social Classificados Sobre o Site Fale Conosco

Governo criou programa de doação de óculos para desviar dinheiro, diz ex-governador de MT em delação

GC Notícias | 07/09/2017 11:41
Silval Barbosa disse que programa desviava dinheiro
(Foto: Lislaine dos Anjos/G1)
Silval Barbosa disse que programa desviava dinheiro

O custo do serviço médico por pessoa seria de R$ 700.

Um programa de distribuição de óculos para a população carente foi criado com a finalidade exclusiva de desviar dinheiro, segundo a deleção do ex-governador Silval Barbosa à Procuradoria-Geral da República (PRG).

Entre 2010 e 2011 o governo tinha um programa voltado pra quem não conseguia usar óculos por falta de dinheiro. Porém, o programa, chamado de ‘Boa Visão’, apareceu na delação de Silval Barbosa.

O ex-governador disse que o programa tinha uma meta que acabou ultrapassada. Por isso, ele e Éder Moraes, na época secretário da Casa Civil, criaram uma organização de saúde só para pagar valores por fora para o dono dessa empresa, que ficou com dívidas com o estado.

Éder, na época, fechou um convênio de R$ 3,5 milhões com o Instituto de Desenvolvimento de Programas (Idep). O dinheiro veio de um fundo que teria sido criado no governo Silval apenas para pagar propinas, o Fundo de Desenvolvimento do estado de Mato Grosso, que era gerido pela Casa Civil.

Na época, o valor alto e o uso de verba de uma outra pasta para a saúde, chamaram a atenção do Ministério Público Estadual, que passou a investigar o contrato. Mas para os promotores, a história contada por Silval na delação não foi a mesma que eles verificaram durante as investigações.

O Tribunal de Contas do Estado já havia apontado irregularidades no convênio entre o governo e o instituto de desenvolvimento de programas. De acordo com o TCE, o instituto não comprovou a realização de licitação para realizar serviços no estado.

O tribunal ainda recomendou o pagamento de R$ 957 milhões em multa ao instituto e determinou a implantação de um sistema de controle interno na Casa Civil para os convênios firmados.

Uma ação civil pública foi movida pelos crimes de improbidade administrativa. O Ministério Público faz uma comparação no processo, entre um instituto que propôs um projeto ao governo, mas que foi cancelado, e valor dos serviços cobrados pelo instituto de desenvolvimento de programas.

O primeiro instituto solicitou R$ 5 milhões para prestar 60 mil atendimentos médicos e distribuir 40 mil óculos. O custo seria de R$ 83,33 por atendimento.

Já o Idep, que teria sido criado por Éder Moraes, solicitou R$ 3 milhões para realizar mil atendimentos e supostamente entregar 5 mil óculos para a população.

O custo do serviço médico por pessoa seria de R$ 700. A diferença de valores entre programas seria de 840%.

E com setecentos reais, o governo conseguiria comprar um óculos de alto padrão em qualquer ótica de qualquer cidade brasileira.

O processo ainda está em fase de tramitação. Há um ano o juiz Luís Aparecido Bertolucci Junior determinou o bloqueio de mais de R$ 4 milhões em bens dos réus. As informações de Silval Barbosa na delação, também vão ser juntadas ao processo.

Outro lado

Sobre o convênio com o Idep, o TCE recomendou o pagamento de R$ 957 milhões em multa ao instituto e determinou a implantação de um sistema de controle interno na Casa Civil para os convênios firmados.

Éder Moraes se nega falar com a imprensa. O advogado dele, Ricardo Spinelli, que disse por telefone que Éder não tem envolvimento com o caso.

Fonte: G1