Boa noite, Segunda Feira 10 de Dezembro de 2018
Saúde Coluna Social Classificados Sobre o Site Fale Conosco

Partidos deverão indicar nomes para compor a CPI da Usina

GC Notícias | 18/09/2018 11:47

Composição da comissão será feita na próxima segunda-feira

A presidência da Câmara de vereadores de Sinop acatou, nessa segunda-feira (18), o pedido de instalação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), para apurar alguns procedimentos realizados pela concessionária da Usina Hidrelétrica de Sinop. A composição da comissão deverá ocorrer na próxima segunda-feira (24).

Na sessão de ontem, o presidente Ademir Bortoli (MDB), pediu para que os partidos indicassem seus representantes para a CPI. Joacir Testa (PDT) e Leonardo Viseira (PP), que são os únicos vereadores das suas siglas, já foram nominados. Cabe ao MDB e PR indicar um membro cada. A dúvida ficou a cargo do PSDB. O partido possui 4 cadeiras na Câmara de Sinop. No entanto, no momento, 3 estão licenciados e suas vagas estão sendo ocupadas por suplentes do DEM. Bortoli incumbiu o único integrante do PSDB investido no cargo, Luciano Chitolina, de tratar junto aos demais vereadores da sigla a indicação do membro que irá integrar a CPI.

O pedido de instalação da CPI foi proposto na última semana pelo vereador de Sinop, Remídio Kuntz (PR). O documento, assinado por 14 vereadores, levanta suspeitas sobre dois procedimentos realizados pela empresa que executa as obras da Usina Hidrelétrica de Sinop. Remídio questiona se a empresa possui autorização para fazer a remoção de cascalho ao longo da área de impacto, próximo a Gleba Mercedes. O solo laterítico está sendo empregado na recuperação de estradas ao longo do assentamento.

Outro ponto levantado no documento é o aterramento dos resíduos vegetais extraídos pela empresa. Conforme o vereador, a madeira resultante da supressão vegetal feita pela usina na área do lago está sendo enterrada. Remídio afirma que grandes quantidades de tora já foram soterradas e locais que, com o enchimento do lago, ficarão debaixo d’água. O vereador questiona se o procedimento é ambientalmente correto.

Fonte: Jamerson Miléski