Boa tarde, Quarta Feira 20 de Setembro de 2017
Saúde Coluna Social Classificados Sobre o Site Fale Conosco

Campanha de vacinação contra a febre aftosa termina na quarta-feira em MT

GC Notícias | 29/05/2017 15:15
Bovinos e Bubalinos de todas as idades, de mamando a caducando, devem ser vacinados na primeira etap
(Foto: Divulgação/Sepor)
Bovinos e Bubalinos de todas as idades, de mamando a caducando, devem ser vacinados na primeira etap

Segundo o governo, cerca de 30 milhões de animais devem ser vacinados

A primeira etapa de vacinação contra a febre aftosa será encerrada na próxima quarta-feira (31) em Mato Grosso. Segundo o governo do estado, cerca de 30 milhões de animais devem ser vacinados e a comunicação do rebanho deve ser feita até o dia 12 de junhos nos escritórios locais do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT).

Conforme o Indea, a multa para quem deixar de vacinar o rebanho dentro do período da campanha é de 1 UPF (Unidade Padrão de Fiscal) por cabeça de gado não vacinado. Já o produtor que atrasar a comunicação fica impossibilitado de emitir a Guia de Trânsito Animal (GTA) por pelo menos 30 dias.

Neste ano, as etapas de vacinação foram invertidas no estado, atendendo a um pedido do setor, que reclamava da dificuldade de manejo do rebanho no mês de novembro, período de maior incidência de chuva.

Na primeira etapa da campanha, que teve início no dia 1º deste mês, é obrigatória a imunização de todos os bovinos e bubalinos de todas as idades, de mamando a caducando, com exceção para os animais de propriedades localizadas no baixo pantanal mato-grossense.

 

GCNotícias+

Durante o período de comunicação, os produtores poderão declarar, ainda, o número efetivo de animais da propriedade, sem sofrer penalidade, conforme prevê a legislação. Já a partir da segunda etapa, que será realizada em novembro deste ano, para casos de divergência será aplicada multa de 1,50 UPF por bovino ou bubalino que não havia sido declarado até então.

A informação declaratória cadastrada e/ou registrada é de cunho exclusivamente sanitário e direcionada ao controle e planejamento das ações de defesa sanitária animal no território estadual, ou seja, não caracteriza garantia de posse e/ou propriedade de terras ou animais.

Fonte: G1 MT