Bom dia, Sábado 21 de Outubro de 2017
Saúde Coluna Social Classificados Sobre o Site Fale Conosco

Laboratório americano abre caminho para parceria com Unemat

GC Notícias | 19/05/2017 15:03

Intercâmbio entre os dois países será voltado ao desenvolvimento de tecnologias para a soja

Em busca de parcerias para a melhoria do setor de pesquisa em Mato Grosso, o governador Pedro Taques e a comitiva mato-grossense conheceram nesta quarta-feira (17) o maior centro de pesquisas avançadas de cultura da DuPont Pioneer, na cidade de Des Moines, no estado americano de Iowa. Na ocasião, a empresa se colocou a disposição para abrir parceria com a Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat).

A reitora da Unemat, Ana Maria di Renzo, disse que foi possível ver a importância da pesquisa verticalizada para agregar valor direto a produção. “Isso mostra pra nós, enquanto Estado, a importância de ter aproximação com o produtor rural e com os financiamentos para que possamos evitar tantas perdas na produção como temos tido. Nisso a universidade tem o papel fundamental, nessa escuta das necessidades”, disse a reitora.

Para ela, ao abrir o diálogo com os produtores, a Unemat faz com que os pesquisadores foquem nas necessidades da produção local. “Até agora a gente não teve isso, cada um fez pesquisa de acordo com a sua vontade e não pode ser assim. Aí a universidade pode ajudar no melhoramento, temos melhoristas lá, mas também na questão de pragas, que em função das questões climáticas, só nós (Mato Grosso) temos, isso não vai ser de interesse de uma multinacional, mas nós temos condições de fazer isso”, afirmou.

Após a visita no centro de pesquisa, o governador destacou a importância de aumentar a produção e de ter a tecnologia como uma aliada no aumento da produção atual de alimentos, haja vista o crescimento populacional até o ano de 2050. Taques voltou a lembrar que Mato Grosso tem uma grande importância nesse aumento de produção.

O governador destacou o tamanho da produção atual de que deve chegar a 57 milhões toneladas de grãos, enquanto o país produzirá um total de 217 milhões toneladas. “Precisamos criar um símbolo de que nossa produção é de qualidade. Precisamos ter o um selo de sustentabilidade, para que o investidor confie em investir nos produtos de Mato Grosso. Fomos a vários lugares do mundo fazendo roadshow para vender os nossos produtos”, destacou.

Taques diz ainda que os números mostram que Mato Grosso tem grande importância na segurança alimentar do mundo, por isso tem que ter intenso trabalho de pesquisa. Por fim, afirmou que o desafio do estado é seguir os passos de Iowa e verticalizar a produção. “Nós queremos verticalizar nossa produção, industrializar. Para isso, precisamos de tecnologia e conhecimento e é isso que estamos fazendo”, completou.

O produtor e empresário, Otaviano Pivetta, que acompanha a comitiva do governador nos Estados Unidos, disse que o produtor mato-grossense tem um problema que é vir de uma agricultura imediatista. Para ele, ainda há um distanciamento das pesquisas com os produtores e o produto com muita tecnologia acaba saindo caro para a produção. Ele citou que o custo de plantação por hectare neste ano foi, em média, de R$ 400, mas para cobrir os custos foram usados recursos provenientes de duas toneladas para pagar as sementes.

Para Pivetta, o país erra ao fazer essa política, ressalta que o ideal seria investir o valor disponibilizado como subsídio para o escoamento em infraestrutura.  “Eu sou contra essa política imediatista e pequena dos produtores buscarem recursos de subsídio do Governo Federal para escoar a produção. Mato Grosso faz isso há 15 anos, e já levou R$ 15 bilhões, para escoar o excesso de produção do estado. Sempre fui contra, sempre produzi milho e sempre busquei verticalizar. Não temos o direito de produzir em excesso, só pra dizer que produzimos e buscarmos recursos do Governo Federal. Temos que acabar com isso”, defendeu.

O presidente da DuPont Pioneer na América Latina avaliou como uma honra a visita da delegação de Mato Grosso ao centro de pesquisas. Segundo ele, o estado é o mais importante para a agricultura no Brasil por todo o potencial. “É uma oportunidade única para escutar como podemos ser parte desse futuro brilhante que Mato Grosso tem”, finalizou.

Fonte: Redação