Boa noite, Terça Feira 27 de Junho de 2017
Saúde Coluna Social Classificados Sobre o Site Fale Conosco

Cento e cinquenta e cinco casos de microcefalia são descartados

GC Notícias | 17/10/2016 18:04
Foto: Assessoria

Dos 316 casos notificados de microcefalia em Mato Grosso, 155 foram descartados, 113 permanecem em investigação e 39 foram confirmados. Foram notificados 24 óbitos, oito foram confirmados por microcefalia, 12 estão em investigação e quatro descartados.

Os casos notificados estão distribuídos em 53 municípios de Mato Grosso. A orientação da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) é para que os municípios investiguem os casos para confirmação, de acordo com o Protocolo de Vigilância, e intensifiquem o acompanhamento dos casos pela atenção à saúde.

 

Notificação

A equipe da Vigilância Epidemiológica da SES esclarece que utiliza as definições vigentes no Protocolo do Ministério da Saúde para confirmar ou descartar os casos suspeitos. O Ministério considera um caso confirmado após análise clínica radiológica e/ou laboratorial. De acordo com o Protocolo, a investigação da causa da microcefalia é realizada somente nos casos notificados que apresentem características clínicas e/ou laboratoriais sugestivas de infecção congênita, para a identificação da infecção pelo vírus zika, entre outros agentes infecciosos.

O documento traz também orientações, como a definição de casos suspeitos de microcefalia durante a gestação, caso suspeito durante o parto ou após o nascimento, critérios para exclusão de casos suspeitos, sistema de notificação e investigação laboratorial. Além disso, há orientações sobre como deve ser feita a investigação epidemiológica dos casos suspeitos e sobre o monitoramento e análise dos dados.

 

Alteração do perímetro cefálico

O Ministério da Saúde mudou, seguindo recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), o critério para considerar bebês com microcefalia. A medida do perímetro cefálico em recém-nascidos passou de 32 cm para 31,9 cm em meninos e 31,5 cm em meninas. Em dezembro, o parâmetro para diagnóstico da doença já havia diminuído, passando de 33 cm para 32 cm. As alterações têm como objetivo padronizar as referências para todos os países e valem para bebês nascidos com 37 ou mais semanas de gestação.

Fonte: Maricelle Lima Vieira | SES-MT